Últimos dias de inscrição para a 13ª edição do Diário Contemporâneo

Share This:

As inscrições para a 13ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia entraram na sua reta final. O candidato interessado tem só até a meia-noite do dia 16/012 para enviar o seu dossiê. As candidaturas são gratuitas e o edital com todos os detalhes, além da ficha de inscrição está disponível no site dcf.dol.com.br

O tema escolhido, “Todo corpo em deslocamento tem trajetória”, nasce com uma proposição de Lívia Aquino, curadora convidada deste ano. Serão 15 artistas selecionados que farão parte da mostra da 13ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia no Museu Casa das Onze Janelas, Museu da UFPA, Solar da Beira e Associação Fotoativa. Destes, 06 serão escolhidos como Prêmios Aquisição e serão contemplados com R$7.000,00, além da ajuda de custo de até R$2.000,00 oferecida a todos os selecionados para a produção das obras.

>>> Baixe aqui o Edital 2024

>>> Ficha de Inscrição 13ª edição 

“Aqui, a provocação aos artistas visuais, em especial àqueles que se dedicam ao fotográfico e seus desdobramentos, gira em torno do corpo como um território pessoal, de experiências íntimas e únicas, ao mesmo tempo combinado, por estar alinhado ou confrontado, com a experiência social e política”. O corpo é visto para além da sua casca, busca-se a sua tomada de consciência e a relação com o que está ao seu redor”, explicou a curadora convidada.

“A proposição de Lívia Aquino se dirige ao corpo como território pessoal, lugar de vivência única e ao mesmo tempo conectado ou em confronto com a experiência social”, analisou Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto.

O JURÍ

Lívia Aquino – Vive em São Paulo. Pesquisadora do campo da cultura e das artes visuais, é professora e artista. Graduada em Psicologia pela UFPR, atua também como psicoterapeuta. Doutora em Artes Visuais e Mestre em Multimeios pela UNICAMP. É professora na pós-graduação em Práticas Artísticas Contemporâneas e na graduação de Artes Visuais e de Produção Cultural da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), em São Paulo. Autora do livro Picture Ahead: a Kodak e a construção do turista-fotógrafo, Prêmio Funarte Marc Ferrez 2015. Participou de exposições coletivas no Centro Cultural São Paulo, na Galeria Reocupa Ocupação 9 de julho, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, no Sesc Belenzinho, na Pinacoteca de São Paulo, no Parque Lage, no Museu do Estado do Pará, na Fundação Joaquim Nabuco, no Museu de Arte de Ribeirão Preto, entre outras. 

Camila Fialho – Vive em Belém. Artista, curadora e articuladora/ativadora de processos artísticos. Doutoranda do PPG em Artes da UFPA, suas pesquisas transitam entre poéticas do deslocamento, paisagem, corpo e espaço, com especial interesse nas práticas colaborativas e na publicação como suporte para criação. Como artista, participou da exposição OUBOUR / عبور – Marseille / Alger / Ghardaïa, com a série Lignes de Ghardaïa (Marselha/FR, 2023); foi contemplada pelo Prêmio Branco de Melo 2022 para realizar sua primeira exposição individual Linhas em Movimento. Sob a assinatura de RaioVerde, plataforma pesquisa e criação compartilhada no campo das artes, em 2022 recebe o prêmio de Incentivo às Artes Visuais e Fotografia “Imagens Cotidianas” promovido pelo Sesc no Pará, com a obra Caxina Machu: o reino das sementes vazias, que também participou da exposição Luz do Norte, 10º Festival de Fotografia de Tiradentes, 2020/2021. Participou ainda da instalação coletiva Mapping Fordlândia, junto do coletivo Suspended spaces, parte da exposição On Fail[l]ed Tales and Ta[y]lors, no espaço La Tabakalera, em San Sebastian, 2019, e itinerâncias na França e no Brasil.

Vi Grunvald – Vive em Porto Alegre. Professora trans do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRGS, onde integra os núcleos de Antropologia Visual e Antropologia e Cidadania. Doutora e Pós-Doutora pela USP, e com formação pela Academia Internacional de Cinema. Co-coordena o Grupo de Reconhecimento de Universos Artísticos/Audiovisuais da UFRJ e pesquisadora de diversos grupos de pesquisa na USP. Professora visitante, em 2022, no Departamento de Psicología Social y Antropología Social da Universidad Complutense de Madrid (UCM) e do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) em Lisboa. Fotógrafa e realizadora audiovisual com trabalhos sobre política, direitos humanos, gênero, sexualidade, parentesco/família, imagem, performance, cinema, táticas documentais e teoria queer/cuir. Membra dos comitês de Gênero e Sexualidade (2021-24) e Antropologia Visual (2019-24) da Associação Brasileira de Antropologia (ABA). Coordena a Comissão de Imagem e Som da ANPOCS, no biênio 2022-2023. Domingo, trabalho realizado com Paulo Mendel e a Família Stronger, selecionado e comissionado pela 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, e exibido no Royal Anthropological Institute Film Festival 2019, recebeu os prêmios Margot Dias e Benjamin Pereira de melhor filme da Associação Portuguesa de Antropologia (APA 2019/2020) e Prêmio ANPOCS de Melhor Curta e Média-Metragem da ANPOCS (2021).

O PROJETO

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inicia em um novo formato de edital. Com a 13ª edição, o projeto propõe o incentivo à formação de acervo através dos Prêmios Aquisição, intensificando o que já vem sendo feito desde a constituição da Coleção, em 2016. 

Criado em 2010, é aberto a todos os artistas brasileiros ou residentes no país. Trata-se de um projeto nacional, que em seus mais de dez anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

O DCF é uma realização do jornal Diário do Pará e RBA com apoio institucional do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SECULT), Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIM) e Museu Casa das Onze Janelas; Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA); Associação Fotoativa; Prefeitura de Belém por meio da CODEM e Solar da Beira; colaboração da Sol Informática e oferecimento da BBF.

SERVIÇO

Últimos dias de inscrição para a 13ª edição do Diário Contemporâneo

Data: até 16/02/2024

Informações: Rua Gaspar Viana, 773 – Reduto. 

Contatos: (91) 3184-9310, 98367-2468 e diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. 

Edital e ficha de inscrição no site: dcf.dol.com.br

DCF 2024 nas palavras da curadora convidada

Share This:

Texto: Debb Cabral

Até 16 de fevereiro o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia segue com inscrições abertas para a sua 13ª edição que contemplará seis artistas com os Prêmios Aquisição. “Todo corpo em deslocamento tem trajetória”, tema deste ano, é uma proposição de Lívia Aquino, curadora convidada. Os interessados em participar encontram o edital e a ficha de inscrição disponíveis no site dcf.dol.com.br. 

>> Baixe aqui o Edital 2024

>>> Ficha de Inscrição 13ª edição 

Artista, pesquisadora e profissional atuante em projetos de arte contemporânea no país, Lívia Aquino é parceira do DCF desde 2016, com destaque especial no acompanhamento dos artistas residentes nas últimas edições. Sobre o convite para a curadoria convidada, ela declarou que “eu tenho um carinho enorme pelo DCF, já participei como artista, como comissão de seleção e também na orientação nas residências em São Paulo e no Farol. Admiro o modo como o projeto acontece no campo das artes, sempre aberto a adaptações ao seu tempo de existência e acontecimento no território de Belém. Esse convite me pegou de surpresa, para mim é um desafio como artista articular essa proposição junto a pessoas que tenho grande admiração pelo trabalho e por suas proposições artísticas”. 

Lívia Aquino é a curadora convidada deste ano. Foto: Irene Almeida

Lívia tem como parceiras na comissão de seleção deste ano a fotógrafa e realizadora audiovisual com trabalhos sobre política, direitos humanos, gênero, sexualidade, parentesco/família, imagem, performance, cinema, táticas documentais e teoria queer/cuir, Vi Grunvald, além de Camila Fialho, curadora e articuladora/ativadora de processos artísticos.

A temática desta edição do DCF nasceu do texto “Trabalho de Vida”, da artista e estudante carioca Matheusa Passareli, pessoa negra e não binária que traz um relato muito íntimo e pessoal mas, ao mesmo tempo, consegue estabelecer relações com outras pessoas e suas vivências. “A proposição da curadoria a partir do texto da Matheusa é justamente por ela articular aspectos de sua experiência pessoal e social, expondo reflexões acerca de como se dá a trajetória do seu corpo em deslocamento pela cidade para cursar uma universidade pública. Estou interessada nessas relações de vida, daquilo que nos mobiliza e afeta a partir do que é próprio mas também do contexto de vida e de histórias que valem desdobramentos, narrativas e processos”, explicou Lívia.

Ainda olhando a partir da situação do deslocamento, a curadora convidada reflete que “o movimento pode ser o que nos impulsiona, nos leva a produzir não no sentido neoliberal mas naquele em que nos reconhecemos fazedores de algo pela nossa experiência, por sermos viventes e desejantes. Gosto muito de pensar com Paulo Freire quando nos diz que o corpo age e a partir dessa ação – que é mover também – surge o conhecimento do mundo ou daquela pessoa. Não gosto da ideia de tomar uma coisa como dada – é o ponto de saída, é o de chegada, é o caminho, para cada um é algo que pode se dar em torno de, em torno da saída, da chegada ou do tanto percorrido, há movimento em todos esses lugares aí”.

A 13ª edição é uma retomada e um fortalecimento daquilo que o DCF já vem construindo há mais de uma década. Com o novo formato de edital, o projeto busca estimular a formação de acervo. “Que façamos uma exposição que mobilize e afete quem visitar, que possamos trabalhar de modo alegre e respeitoso, celebrando a arte e a cultura que fazemos, reconhecendo nosso campo como potente e importante para a produção de conhecimento no nosso país que na história recente tratou tão mal os trabalhadores da arte”, concluiu Lívia ao falar das suas expectativas para a edição de 2024.  

Revelador H2O2, de Alex Sandro Oliveira, integrante da Coleção DCF

O PROJETO

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é aberto a todos os artistas brasileiros ou residentes no país. Trata-se de um projeto nacional, que em seus mais de dez anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

Sua 13ª edição, serão 15 artistas selecionados que farão parte da mostra no Museu Casa das Onze Janelas, Museu da UFPA, Solar da Beira e Associação Fotoativa. Destes, 06 serão escolhidos como Prêmios Aquisição e serão contemplados com R$7.000,00, além da ajuda de custo de até R$2.000,00 oferecida a todos os selecionados para a produção das obras.

O DCF é uma realização do jornal Diário do Pará e RBA com apoio institucional do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SECULT), Sistema Integrado de Museus e Memoriais (SIM) e Museu Casa das Onze Janelas; Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA); Associação Fotoativa; Prefeitura de Belém por meio da CODEM e Solar da Beira; colaboração da Sol Informática e oferecimento da BBF.

SERVIÇO
Diário Contemporâneo segue com inscrições abertas para a 13ª edição
Data: até 16/02/2024
Informações: Rua Gaspar Viana, 773 – Reduto. 
Contatos: (91) 3184-9310, 98367-2468 e diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. 
Edital e ficha de inscrição no site: dcf.dol.com.br